domingo, 31 de agosto de 2008

O Lugar Onde Estudo

A UFF até hoje tem algumas questões que não foram respondidas para mim. Questões que já haviam sido elaboradas mesmo antes de eu me matricular efetivamente no curso.

Eu não tinha muita fé em passar para aquela que dizem ser a melhor faculdade de História do Brasil, quiçá da América Latina. Entretanto, em algum dia anterior ou posterior à virada de 2007 para 2008, eu recebi a feliz noticia que me fez dar o destino que minha vida tomou hoje: perambulando por bibliotecas, atravessando a Baia, caminhando por gramados e falando com desconhecidos conhecidos todos os dias.

Fico imaginando como teria sido a minha vida se tivesse escolhido outros rumos – e estive bem perto de fazer isso – em que tipo de noites eu dormiria hoje? Quais seriam os sonhos que passariam pelos meus lençóis? Pergunto-me o porquê de eu ter conhecido quem conheci até hoje, pensando qual o meu papel na vida dessas pessoas, ou mesmo se eu tenho esse algum papel. Acho que sim. É importante deixar a sua marca por onde você passa, de preferência de maneira positiva.

O campus do Gragoatá, onde estudo, tem um ar muito surreal. O gramado, o vento, as pessoas, o céu, a baía, os aviões e as pedras. Os fins de tarde entre os prédios de letras são muito bonitos, especialmente aquele monte de arvores filtrando a luz do sol, já preguiçoso e teimando e apenas emitir aquela luz alaranjada. Luz que indica que as coisas estão se encerrando para alguns e começando para outros.

As palavras circularão pela cabeça de muitos durante a noite e para outros, apenas o sono.

Um comentário:

walter. disse...

acho que entendo a questão de pensar. mas por que pensar em certos caminhos que sua vida não tomou? para que pensar nessas questões todas se o que você quis conseguiu? Deve ser mania de historiador, pensar de mais. xD
abração!

e ah! tu escreve bem, lek :P